Os Seis Princípios Básicos:



  • Princípio I: Respiração
  • Princípio II: Alongamento axial / controle central (centralização)
  • Princípio III: Organização eficiente pela cabeça, pescoço e cintura escapular (fluxo eficiente dos movimentos)
  • Princípio IV: Articulação da coluna vertebral (isolamento e integração)
  • Princípio V: Alinhamento e postura (centralização, precisão e coordenação)
  • Princípio VI: Integração dos movimentos (concentração, integração, fluxo do movimento e rotina)


Originalmente, Joseph Pilates desenvolveu oito princípios básicos para orientar seus exercícios que são conhecidos como controle. Esses princípios são concentração, controle, precisão e coordenação, isolamento e integração, centralização, fluxo do movimento, respiração e rotina. Entretanto Pilates não era um escritor prolixo e, infelizmente, grande parte do que se conhece sobre seus princípios foi passada verbalmente de uma geração para outra. Isso expôs seu trabalho original a diversas interpretações. 

Em todo o mundo, existem alguns pré-requisitos para a certificação do método Pilates. 

Vários grupos de formação e tratamento com o método Pilates são conhecidos em diferentes países e amplamente divulgados. 

Os fundadores da Polestar Education (uma empresa educativa do método Pilates que se especializou em reabilitação e foi fundada em 1992) estudaram com alguns dos entusiastas e professores da primeira geração do Pilates. Embora seus repertórios sejam muito diferentes uns dos outros, eles têm em comum alguns princípios básicos.Os terapeutas da Polestar tiveram a oportunidade de investigar os princípios de Pilates em comparação com o repertório original do autor e chegaram aos seis princípios descritos adiante, que estão fundamentados em bases científicas, para explicar melhor as aplicações do método em reabilitação.

Evidências da Eficácia



Assim como ocorre com outras terapias complementares, existem poucos estudos baseados em evidências que demonstrem a eficácia do Pilates. Esses estudos conseguiram a aprovação das comissões de revisão interna e estão no estágio de coleta dos dados.

Os estudos investigam o tratamento da dor lombar baixar, a aprendizagem motora com treinamento de movimentos auxiliados por molas e a facilitação mental. Um dos estudos está aguardando publicação e foi planejado para avaliar o efeito da assistência direta com molas e orientação verbal em comparação com o uso isolado da orientação verbal na aquisição de habilidades para realizar exercícios abdominal.

Os indivíduos do grupo experimental utilizaram um dispositivos do equipamento do Pilates conhecido como Wall Unit. Os indivíduos que foram orientados pelo movimento com assistência das molas apresentaram melhora de 50% na amplitude do movimento depois da intervenção. Um análise ANOVA foi realizada, comparando a diferença entre os grupos experimentais e de controle, antes e após a intervenção, e demonstrou conservação do benefício, a qual era ainda maior do que a revelada pelos resultados originais pós a intervenção no grupo experimental.

Esses resultados são importantes para a profissão, pois demonstraram como movimentos orientados pela assistência podem afetar a estratégia do movimento. Se o movimento for distribuído por toda coluna vertebral, pode-se extrapolar que o mesmo ocorreria com força. 

Em 1996, o Mount Saint Mary College, localizado no sudeste da Califórnia, realizou um estudo-piloto que foi apresentado na Califórnia State Chaper Conference da APTA sob a forma de pôster. Os autores chegaram a três resultados importantes. O desenho da pesquisa consiste em grupos experimentais e de controle e avaliações realizadas antes e depois da intervenção. Os indivíduos provinham de uma amostra de estudantes saudáveis que não haviam executado exercícios de Pilates.

A avaliação pré-teste consiste numa flexão de pé medida com um dispositivo para avaliar o movimento segmentar da coluna vertebral em flexão. Em geral, os resultados desse estudo-piloto demonstraram que a estratégia de flexão ocorria principalmente no quadril entre L4-5 e L5-S1. O ângulo médio de deslocamento dos dois segmentos inferiores da coluna lombar era 20 a 25 graus. Os ângulos diminuíram significativamente de L4 para cima, com a maioria da coluna torácica apresentando ângulos máximos de 0 a 2 graus.

Em seguida, o grupo experimental fez uma sessão de Pilates de 45 minutos com o Reformer Clínico.Após a sessão, os indivíduos voltaram a ser avaliados. O grupo de controle fez a avaliação pré-teste com resultados semelhantes aos apresentados no pré-teste do grupo experimental. Em seguida, o grupo de controle descansou por 45 minutos e voltou para fazer a avaliação pós-teste, apresentando os mesmos resultados.

Os achados interessantes na avaliação pós –teste do grupo experimental foram os seguintes: 1)a flexão global aumentou; 2)o movimento segmentar aumentou em até 25%nos segmentos torácicos e lombares superiores; 3)e o resultado mais importante foi que ao nível de L4-5 e L5-S1, ocorreram reduções significativas do ângulo de flexão em mais de 50%,ou cerca de 10 a 15 graus por segundo. 

O estudo-piloto não pôde ser continuado porque houve problemas de funcionamentos do aparelho de medição e o fabricante não conseguiu ajustá-lo para avaliar os resultados. Contudo, os resultados do estudo-piloto demonstrado claramente a necessidade de realização de estudos adicionais sobre aprendizagem motora no ambiente do Pilates, os quais poderiam explicar como a mudança de estratégia do movimento pode atenuar forças prejudiciais, que geralmente colaboram para a continuidade das lesões. 

Em janeiro de 2000, foi publico um artigo que analisava um estudo de caso utilizando Pilates e o sistema Gyrotonic com resultados favoráveis. 

Duas organizações que apóiam a prática do Pilates Method Alliance- uma organização sem fins lucrativos – e a Polestar Pilates,estão tentando iniciar um ramo de pesquisa baseada em evidências para reabilitação e condicionamento físico. Atualmente, a Polestar vem conduzindo alguns estudos e apoiando estudantes universitários interessados em realizar pesquisa com Pilates. O autor deste capítulo está trabalhando num estudo para investigar a percepção motora e o foco de controle no que se refere à dor lombar baixa crônica no ambiente do Pilates. Seu objetivo é publicar os resultados numa série de publicações ao longo dos próximos 4 ou 5 anos.

Conclusão
 
Além dos princípio previamente descritos, uma das maiores vantagens que o Pilates tem a oferecer é seu ambiente flexível, que é capaz de atender às diferenças necessárias dos pacientes. Com a manipulação da gravidade, da base de sustentação do comprimento das alavancas e do centro da gravidade, o praticante mostra-se muito mais apto a facilitar os movimentos adequados do paciente com menor esforço, menor fadiga e maior conservação da percepção do movimento.

O Pilates tem sido um recurso útil para uma intervenção eficaz em grandes variedades de pacientes de todas as idades que apresentam diagnósticos neurológicos e reumáticos, problemas pediátricos e ortopédicos e aspectos relacionados com a saúde da mulher, visando melhorar o desempenho.

Os dois pressupostos básicos da reabilitação com Pilates são: 1) que qualquer indivíduo pode fazer movimento e 2) que a capacidade de curar-se está dentro de cada um. Os estudos que estão sendo realizados atualmente ampliarão nossos conhecimentos sobre os mecanismos de ação que dão suporte a esse pressuposto. 

Referências: 
Davis, Carol M. Fisioterapia e Reabilitação. Terapias Complementares . 2ª edição . 2006; 13: 258 – 269


face