Introdução

Quando criança, o alemão Joseph H. Pilates sofria de várias doenças que causavam fraqueza muscular. Determinado a superar sua debilidade, ele dedicou sua vida a tornar-se mais forte. Estudou ioga, artes marciais, meditação Zen e exercícios grego-romanos. Pilates trabalhou com profissionais da área médica e sua esposa Clara, que era enfermeira.

Suas experiências levaram ao desenvolvimento de seu método ímpar de condicionamento físico e mental, que levou para os Estados Unidos em 1923. Nos primeiros anos da década seguinte, artistas de dança popular e coreógrafos como Martha Graham, George Balanchine e Jerome Robbins adotaram o método de exercícios de Pilates. Como artistas de elite, os dançarinos freqüentemente sofriam lesões que exigiam períodos longos de recuperação e limitação até que readquirissem o desempenho máximo.

Único nessa época, o método de Pilates permitia e estimulava os movimentos nos estágios iniciais do processo de reabilitação, desde que fosse oferecida a assistência necessária.Especialistas tinham observado que a reintrodução dos movimentos com o uso de resistência não-destrutiva nos estágios iniciais do processo de reabilitação acelerava a cura. Por essa razão, pouco depois a comunidade da dança adotou o método de Pilates, de modo irrestrito. 

Após 70 anos, as técnicas de Pilates começaram a conquistar popularidade na prática da reabilitação. Na década de 1990, alguns profissionais da área de reabilitação utilizavam o método em várias especialidades, incluindo ortopedia geral, cirurgia, dor crônica, distúrbios neurológicos e outras. No contexto da reabilitação, a maioria dos exercícios de Pilates é realizada em diferentes tipos de aparelhos. O trabalho com aparelhos é uma evolução do método original de Pilates, que trabalhava em colchões, impondo, no entanto dificuldades devidas ao efeito da gravidade sobre o corpo. Com o aparelho, os pacientes utilizavam molas e a gravidade para ajudar a concluir com sucesso os movimentos que, de outro modo, poderiam estar limitados por várias razões, facilitando a recuperação sem riscos.

Por fim, alterando a tensão das molas ou aumentando a força da gravidade, o indivíduo pode evoluir no sentido da recuperação do movimento funcional. Em geral, a utilização dos princípios de Pilates com variações do repertório tradicional com o objetivo de atender as necessidades dos pacientes é conhecida na comunidade Pilates como Pilates ampliado. O ambiente em que se dá o método Pilates consiste nos equipamentos utilizados pelos profissionais da área, incluindo o Reformer, ou a mesa trapézio, cadeira, Ladder Barrel e colchão ou tapete. 

Atualmente, apesar do número crescente de profissionais de saúde que aplicam os princípios de Pilates em reabilitação, ainda existem poucos estudos publicados na literatura que investiguem a eficácia das técnicas do Pilates ampliado.


face